Life

Vamos falar sobre: Ansiedade

Este é sem dúvida nenhuma um post que me custa escrever e falar sobre, especialmente porque será o meu primeiro post “a sério” no meu blog. Contudo quero poder ajudar algumas pessoas que passam ou sofrem do mesmo diariamente e isso motiva-me a fazer isto.

Eu sofro com a ansiedade desde os meus 14 anos de idade, que evoluiu para OCD (Obsessive Compulsive Disorder/Obsessivo Compulsivo). Isto porque durante a minha infância ocorreram factores que influenciaram o desenvolvimento desta doença.

Existem vários tipos de ansiedade no entanto vou apenas enumerar três pois são os com que identifico. (Podem ver o post da minha amiga Marta no blog dela onde ela fala sobre os tipos de ansiedade que existem)

  • Transtorno de pânico (Ataques de pânico) – Sentimento súbito que vais morrer, como se estivesses a ter um ataque cardíaco. Sentes que estás a perder o controlo de tudo;
  • Transtorno obsessivo-compulsivo –  o transtorno obsessivo-compulsivo é o medo de perder o controlo ou sentir que a pessoa é responsável por algo terrível para si ou para os outros (aquele sentimento de culpa). O que causa esta ansiedade não é uma situação específica, são pensamentos e sentimentos que já estão enraizados na pessoa. Sentes que estás a perder o controlo da situação. Por exemplo: um aluno que só tira 16,17,18,19,20 valores, começa a tirar 12,13,14 valores e sente que está a perder o controlo da situação porque é obsessivo com a perfeição das notas ou então usa sempre o número 3 pois 2 é pouco e 4 é demais, ou alguém que gosta de ter o seu quarto arrumado, e de repente fica uma confusão, essa pessoa começa a ficar muito ansiosa porque está fora da sua zona de conforto;
  • Fobia social – Acontecem sempre em locais públicos. Por exemplo numa apresentação oral, numa reunião, palestra, ou até mesmo numa conversa com alguém nos transportes. Uma pessoa com fobia social sente uma grande ansiedade quando se sente exposta. Sente que está a ser avaliada, julgada e começa a suar, a sentir-se mal e pode até chegar a desmaiar o que já me aconteceu infelizmente;

Tenho dias bons em que os sintomas não se manifestam, e tenho dias maus onde alguns dos sintomas são visíveis. Um deles é a organização e o facto de ter todos os objectos paralelamente alinhados uns com os outros (não suporto desorganização pois deixa-me super desconfortável), e o outro é facto de lavar as mãos umas cinquentas vezes diariamente. Falar com pessoas desconhecidas é das piores coisas que me podem pedir, não por ser uma pessoa envergonhada mas sim porque começo a falar bastante depressa fazendo com que a outra pessoa não entenda nada do que disse, o coração acelera e a respiração aumenta e começo a transpirar. Ir para concertos ou eventos em que estejam muitas pessoas muito próximas de mim deixa-me aflito como se fosse desmaiar, por isso prefiro sempre espaços abertos. O facto de utilizar sempre números ímpares ajuda a ter uma noção de que estou em controlo sobre um evento ou situação, por isso sempre que marco um café ou alguma saída com amigos tenho sempre o vício de escolher horas em que os minutos sejam 1 ou 3.

Em breve irei fazer um post sobre como ajudar a diminuir estes sintomas e a reduzir o nível de ansiedade e lembrem-se:

4 Comentários

  1. Este tema diz-me tanto! Para além de ter passado mais de um ano a estudar o tema de forma intensiva devido ao facto de ser o assunto principal da minha tese de mestrado, também eu sou ansiosa. Desde sempre. Tudo o que sai da rotina faz com que os sintomas se manifestem e às vezes é bastante incapacitante. Fico de tal forma bloqueada que nem consigo pensar!
    Gostei mesmo de ler este post. Obrigada por escreveres acerca de coisas tão reais!

  2. Existem dias insuportáveis e que se tornam piores quando percebemos que as pessoas estão todas a olhar para nós e a dizer “está a ter mais um daqueles ataques. ” com todo o desprezo.
    Obrigada por falares sobre este tema que me diz tanto de uma maneira tão sincera.
    Adoro o teu blog e cada palavra escrita nele!

    1. Obrigada <3 não imaginas como eu sei o que isso é!. As pessoas julgam a ansiedade como de se nada se tratasse. E ter ataques de pânico no meio de centros comerciais ou na rua é horrível e não desejo a ninguém. Felizmente há coisas que se pode fazer para minimizar e prevenir isso.
      Também gosto do teu blogue! 🙂 beijinhos!

Deixar uma resposta

%d bloggers like this: