A minha semana em fotos #1

Decidi experimentar algo diferente no o blog. De modo a não quebrar a minha rotina de posts “mais ou menos semanais” e de forma a evitar que falhe, decidi criar um espaço onde publico as minhas fotos e descrevo a minha semana. Este ano tal como o ano passado, participo na tag #365Projectonde diariamente publico uma foto no instagram do meu dia-a-dia. Com esta rubrica decidi levar esta abordagem um pouco mais a frente.

A primeira foto, (Segunda-feira) foi tirada na cidade de Luxemburgo. Estava a caminho da nova escola da minha irmã, então aproveitei e decidi capturar esta linda vista.

Terça-feira: Foi noite de bowling. Nunca tinha jogado bowling antes, embora já tenha surgido a oportunidade num centro comercial perto da casa onde eu vivia, que acabou por fechar. O primeiro round foi horrível, mas acabei por ganhar o jeito e ainda consegui fazer dois strikes :p

Quarta-feira: Fui à cidade de Esch-sur-Alzette, que fica perto da minha vila. Fui a uma loja de telecomunicações para realizar o contrato do serviço de Internet. A Internet aqui no Luxemburgo é bastante lenta comparado com Portugal. O tempo que demora a virem instalar vai de 3 semanas a quase 2 meses. Portanto ainda não tenho internet em casa. Escusado será dizer que o Luxemburgo não é o país mais solerengo da Europa. Muitos comparam-no a Inglaterra devido ao céu sempre nublado e chuvoso.

Quinta-feira: Foi um dia de sol, felizmente, num país onde as temperaturas raramente passam os 25 graus, até esteve um dia agradável e deu para capturar esta linda foto no jardim perto de minha casa.

Sexta-feira: Decidi aventurar-me e conhecer um pouco a cidade, portanto saí para explorar locais para fotografar e descobri esta linda rua.

Espero que tenham gostado desta nova rubrica 🙂 eu pessoalmente estou a adorar Luxemburgo, tirando o principal obstáculo que é a língua, é um lindo país para se visitar e quem sabe viver.

Crónica de um emigrante: A chegada

Lembro-me de ser mais novo e fazermos durante o jantar, piadas do género “um dia ainda vamos sair de Portugal”. Obviamente que não fazíamos a menor ideia do que o futuro nos esperava, ninguém faz. Agora a “piada” tornou-se realidade. Dia 1 de Julho de 2017 foi o dia em que fui viver para o Luxemburgo. A minha ansiedade subiu drasticamente, como seria de esperar.

A ideia de ir viver para outro país, outra cultura completamente diferente daquilo que estava habituado, e falar uma língua que nunca aprendi assustava-me. No Luxemburgo não existe uma língua “oficial”. Ora fala-se francês ou alemão (dependendo da zona onde se estiver), ou então o Luxemburguês que é um dialeto alemão com algum vocabulário francês, (semelhante ao mirandés). A maior parte da população do Luxemburgo fala no mínimo três línguas: o francês, o alemão e o inglês. Tirando esse obstáculo que é a língua, o país é lindo, a arquitectura, os jardins, as condições, o salário, etc. Tem todas as condições necessárias para ter uma boa vida. As pessoas são muito acolhedoras e bastante prestáveis, ajudando sempre os recém chegados ao país. Felizmente encontra-se sempre um português em qualquer lado. Por isso é muito comum ouvir-mos falar português na rua, o que durante breves instantes nos dá a sensação que ainda estamos em Portugal. Afinal de contas há um tuga em cada canto do mundo 😉

Espero que tenham gostado deste post, sei que não publico há algum tempo. Como ainda não tenho internet em casa, torna-se difícil arranjar WiFi (obrigado eduroam), mas prometo que irei publicar com mais frequência. Até lá lembrem-se

Sunday Talks: A noção não mora aqui

A verdade é que as pessoas adoram criticar os outros. Seja pela aparência, pela atitude, pelo que comem, pelo que dizem, entre outras coisas. Diariamente ouço comentários sobre a vida dos outros, quando a vida deles não acrescenta nada melhor.

Ontem estava na minha rede social favorita (Twitter) e deparei-me com um tweet para um artigo no Correio da Manhã. Como se já não bastasse a notícia ser do CM, pensei que não poderia descer mais baixo, alias o que esperar de um “jornal” onde colocam um vídeo de uma alegada violação na semana da Queima das Fitas, e ainda incentivam aos seus leitores para verem o video?. Pois bem, não é sobre este tema que irei falar, mas sim sobre uma ex-concorrente daqueles reality shows que a TVI é famosa por realizar.

Esta personagem usou a tragédia de Pedrógão Grande, para criticar os bombeiros.

“Já sabe que não me impressiono com cachorros salvos enquanto as crianças e as famílias estão carbonizadas vivas porque algum inteligente decidiu mandar o água tanque para a extremidade da floresta em vez de mandar no meio da estrada onde era necessário. Falta de organização para quem coça os c****** nove meses por ano e trabalha só três (no verão) mas recebem o ano tudo. Sou difícil de impressionar”

Costuma-se dizer que não importa se falam bem ou mal de nós, o que importa é que falem, e sei que ao escrever este post irei estar a dar mais fama a esta personagem, e sei que (felizmente) há liberdade de expressão. Mas a ignorância desta criatura ultrapassa os níveis do “normal”. Se antes de abrires a boca tivesses pesquisado sobre a vida de um bombeiro, e o significado da palavra voluntário, talvez mudasses de opinião, pois perdeste um excelente momento para estares calada.

You’ve Changed

Estão a ver aquelas situações em que encontram um colega vosso dos tempos do secundário, no meio da rua, e de repente começa toda uma conversa sobre a vossa vida e o que é feito de ti, onde estás agora, etc. E a primeira coisa que ele me disse foi: “tu mudaste!

Parece uma maneira tão brusca de dizer que gostavam mais do “antigo eu”. Fez-me sentir que já não sou “tão bom” como uma vez fui, e que me desleixei um bocado. Mas é um argumento idiota pois é importante mudar, significa que estamos em evolução, nós não fomos destinados para parecer ou manter a mesma postura e atitude que tínhamos há três, cinco ou dez anos atrás. Significa que estamos a progredir na vida. Se não mudarmos então não estamos a progredir.

Nos últimos três anos muita coisa mudou em mim. Não estou a falar de mudanças visuais pois sinceramente continuo visualmente a mesma pessoa, visto-me da mesma forma, etc. Mas a nível pessoal muita coisa mudou. Consegui entrar na faculdade que foi um dos sonhos que sempre tive, e até agora foi o meu maior achievement, mudei várias vezes de casa, fiz novas amizades, e perdi algumas pelo caminho. E nos próximos meses muita coisa vai mudar. Vou viver sozinho pois os meus pais vão emigrar, vou tentar mudar de curso, vou aprender uma nova língua, entre outras coisas.

Portanto mudança é bom, é sinónimo que estamos a evoluir, e nunca devemos de ter medo em arriscar, pois quem sabe o que estará ao virar da esquina 😉 

Dia de Portugal de Camões e das Comunidades Portuguesas

Dia 10 de Junho, dia de Portugal de Camões e das Comunidades Portuguesas. Comemora-se este feriado, não só em Portugal, mas no mundo. Afinal há um tuga em cada canto deste planeta. Até no Luxemburgo onde se estima que 30% da população seja portuguesa. Somos um país pequeno, de gente honesta mas a verdade é que somos grandes. Para mim que estou prestes a emigrar decidi fazer um post sobre o orgulho que é em ser português.

Somos Campeões da Europa de Futebol. As nossas cidades nunca foram tão desejadas e o reconhecimento do tanto que temos para oferecer aos turistas atingiu níveis nunca antes vistos. Vencemos o Eurovisão com o “nosso Salvador”. Como não sentir o orgulho português?

Finalmente, temos feitos contemporâneos. Para mencionar situações de destaque, já não precisamos viajar no tempo e falar das importantes viagens de navegação que deram novos mundos ao mundo. Dos homens corajosos que foram desbravar terras inóspitas e levaram a nossa cultura aos cinco continentes. 

O que não invalida que sejam ensinados esses feitos aos mais novos. Só poderemos construir um futuro melhor, quando conhecemos o nosso passado. E o nosso passado, com quase 900 anos – que faz de nós o país mais antigo da Europa -, seja remoto ou mais recente, só nos pode encher de orgulho e vontade de fazer mais e melhor. 

Celebrar as Comunidades Portuguesas também me parece de valor, pois são os que mais preservam a nossa cultura e os que mais sofrem por estar longe da sua pátria. Pela primeira vez, acredito que se sintam olhados com respeito e admiração por muitos, ao invés dos olhares de desprezo lançados pelos habitantes dos países que os acolheram. 

Essencialmente, acho que deves aproveitar e desfrutar do feriado, sem nunca esquecer o que se comemora neste dia. Este é o nosso dia, o de todos os portugueses. E como temos sorte por ser portugueses! Já não é desdita, não é fado ou destino. É mesmo uma grande sorte. Certo 😉 ?

Olá Junho e T Minus 26 days

Maio saiu a correr e nem dei por ele a passar, tirando a semana da queima. Essa sim passou a correr. Agora chegou Junho e com ele grandes mudanças e novos desafios, e não, não estou a falar apenas dos exames.

A minha família vai emigrar, embora eu já sabia o que esperar, só esta semana é que me caiu a ficha. Posso dizer que passei meio ano tentando não pensar muito no assunto, mas a verdade é que o momento chegou e estou a meras semanas de ir viver sozinho. Escusado será dizer que a minha ansiedade subiu sky high,

Durante 24 anos sempre vivi com os meus pais, embora fosse pouco prático pois vivo relativamente longe da faculdade, facilitava a minha situação económica, e tinha sempre tudo feito, não precisava de me preocupar com algumas coisas. Sei que muitos não tem essa sorte, tenho amigos que vieram das ilhas e raramente estão com a família, e poucas são as hipóteses de irem a casa. Essa vai ser a minha nova realidade dentro de três semanas.

Por um lado vai ser bom ter novos desafios, finalmente vou ter a minha total independência, irei viver no Porto um local onde sempre quis viver pois adoro a minha cidade, por outro vai ser assustador, mas acho que vou aprender e crescer muito com esta mudança.

Ainda não arranjei alojamento. Neste momento estou à procura de um quarto para viver no Porto (os preços que pedem são uma coisa de outro mundo para o espaço que oferecem), e estou a ponderar arrendar um apartamento juntamente com uns amigos para  facilitar.

Espero que gostem deste tipo de posts de cariz um pouco mais pessoal, e se tiverem sugestões ou então dicas deixem-nas ca caixinha de comentários 😉

Os melhores cafés para estudares no Porto

Chegamos aquela altura do semestre que todos nós detestamos, trabalhos, frequências e com exames à porta é uma altura que nos consegue facilmente elevar os nossos níveis de stress, e é necessário colocar o estudo em dia. Se tu és como eu que não consegue estudar em casa ou na faculdade e os cafés são a tua cena, esta é a minha lista.

Moustache

O Moustache situado na na praça Carlos Alberto (atrás do Café Progresso) é considerado “um sítio da moda” portanto está sempre cheio. No entanto tem um maravilhoso café que para pessoas que dependem da cafeína para conseguirem trabalhar (como eu), e com uma grande selecção de bolos e chás faz do Moustache um verdadeiro pedacinho de céu na terra. Tem WiFi cujo a password é “Cappuccino” (estão a ver, já vos poupei de terem de ir perguntar pela senha). No entanto nem tudo é um mar de rosas. O local não tem muitas fichas disponíveis, por isso recomendo-te a trazeres o teu computador com alguma bateria. 

Costa Coffee

O Costa está sempre cheio, não só por ser o mais conhecido, mas sim pela sua localização. Situado no passadiço dos Clérigos, este café para além da sua maravilhosa selecção de cupcakes e de cafés, dispõe de um espaço super acolhedor. Dispõe de agora de WiFI, pois antes não tinha. O único problema acaba por ser o preço pois um simples expresso custa 1€.

Café Progresso

Este café é provavelmente um dos mais antigos. Situado perto da torre dos Clérigos e a 10 minutos da estação de São Bento, para além dos crepes deliciosos e de WiFi o que mais poderíamos pedir?

Bar dos artistas – Casa da Música

Se a tua faculdade fica situada no Polo III, então vais adorar o “bar dos artistas” na Casa da Música. Têm uma boa localização pois fica a três minutos da estação de metro da Casa da Música, é um café sossegado com imenso espaço. Dispõem de rede WiFi eduroam portanto não precisas de ir pedir senha de acesso. Infelizmente tal como o Moustache, não dispõe de muitas fichas.

Atmosfera M

Este local não é muito conhecido mas achei que merecia ser divulgado. O que me chama a atenção neste local é o facto de sermos convidados a pagar o café da próxima pessoa, já que o nosso foi oferecido pela pessoa anterior. Tem um pequeno auditório, uma biblioteca e uma sala de exposições.

Galerias Lumière

Eu fiquei a conhecer este local à relativamente pouco tempo por uma amiga durante uma reunião do JUP. Este espaço é um bom exemplo de reabilitação de espaços urbanos, pois  antes era usado como um corredor de passagem entre a Rua José Falcão e a Rua das Oliveiras. As galerias Lumière alojam agora uma série de restaurantes, uma tabacaria e várias lojas de moda e design. Dispõe de várias tomadas e WiFi.

We almost made it

Há dias em que estou bem, e outros em que sinto a tua falta. Hoje é um desses dias em que te vou procurar nos lugares onde nós fomos felizes. Saio e percorro os caminhos que serão para sempre nossos, mesmo que já não os caminhemos juntos.

Desde as ruas da minha terra, aquela paragem onde uma vez te fui buscar e tudo começou até ao jardim onde foi o nosso fim. Saio com a esperança de te encontrar novamente nos locais que nós estávamos constantemente a dizer um ao outro.

Perguntas-me se eu estou bem, eu, sem saber o que dizer e sem te querer magoar, sorrio enquanto penso sobre a possibilidade de termos ficado juntos sempre​.  O problema é que tu conheces-me demasiado bem para saberes que eu perco-me nos teus sorrisos sempre que estou perto ti. E mais do que isso, conheces os meus silêncios e sabes de cor o que está a passar pela minha mente.

Mas que poderei eu dizer para além do típico cliché “fomos feitos um para o outro, mas a vida fez questão de nos separar”? Ou então que o destino vem baralhar isto tudo vezes sem conta, que por mais que nós tentamos ficar afastados um do outro ele faz com que as nossas linhas nunca se tornem paralelas e se cruzem, mesmo quando eu não te procuro ou tu a mim.

É inevitável pois mesmo que faça de propósito para não gostar de ti, acabo sempre com um sorriso na cara pois lembro-me os momentos que nós passamos juntos, das nossas conversas, gargalhadas e sobretudo sobre a nossa troca de olhares.

Mas hey, we almost made it..

10 citações de Harry Potter para os dias difíceis

A internet adora Harry Potter (Potterheads unite!), mas adora ainda mais catalogar as citações dos livros. Quer estejas a ter um dia mau ou um dia bom há quotes para todos os gostos. Até a J. K. Rowling partilhou as suas citações favoritas dos seus livros. Estas são as minhas favoritas e que me ajudaram a passar pelos momentos mais difíceis.

    1. “Happiness can be found, even in the darkest of times, if one only remembers to turn on the light.” – Albus Dumbledore, Harry Potter and the Prisoner of Azkaban 
    2. “The thing about growing up with Fred and George,” said Ginny thoughtfully, “is that you sort of start thinking anything’s possible if you’ve got enough nerve.” Ginny Weasley, Harry Potter and the Half-Blood Prince
    3. “Give her hell from us, Peeves.” And Peeves, whom Harry had never seen take an order from a student before, swept his belled hat from his head and sprang to a salute as Fred and George wheeled about to tumultuous applause from the students below and sped out of the open front doors into the glorious sunset.” – J.K. Rowling, Harry Potter and the Order of the Phoenix
    4. “Not to be rude or anything, but this isn’t really a great time for me to have a House Elf in my bedroom.”  Harry Potter, Harry Potter and the Chamber of Secrets
    5. “One can never have enough socks,” said Dumbledore. “Another Christmas has come and gone and I didn’t get a single pair. People will insist on giving me books.” – Albus Dumbledore, Harry Potter and the Sorcerer’s Stone
    6. “Why are they all staring?” demanded Albus as he and Rose craned around to look at the other students. “Don’t let it worry you,” said Ron. “It’s me. I’m extremely famous.” – J.K. Rowling, Harry Potter and the Deathly Hallows
    7. “When you have seen as much of life as I have, you will not underestimate the power of obsessive love.” – Albus Dumbledore, Harry Potter and the Half-Blood Prince
    8. “Never trust anything that can think for itself if you can’t see where it keeps its brain.” – Arthur Weasley, Harry Potter and the Chamber of Secrets
    9. “Of course it is happening inside your head, Harry, but why on earth should that mean it is not real?” – Albus Dumbledore, Harry Potter and the Deathly Hallows

e finalmente

  1. “I solemnly swear that I am up to no good.” – Harry Potter and the Prisoner of Azkaban

Vamos falar sobre: Ansiedade

Este é sem dúvida nenhuma um post que me custa escrever e falar sobre, especialmente porque será o meu primeiro post “a sério” no meu blog. Contudo quero poder ajudar algumas pessoas que passam ou sofrem do mesmo diariamente e isso motiva-me a fazer isto.

Eu sofro com a ansiedade desde os meus 14 anos de idade, que evoluiu para OCD (Obsessive Compulsive Disorder/Obsessivo Compulsivo). Isto porque durante a minha infância ocorreram factores que influenciaram o desenvolvimento desta doença.

Existem vários tipos de ansiedade no entanto vou apenas enumerar três pois são os com que identifico. (Podem ver o post da minha amiga Marta no blog dela onde ela fala sobre os tipos de ansiedade que existem)

  • Transtorno de pânico (Ataques de pânico) – Sentimento súbito que vais morrer, como se estivesses a ter um ataque cardíaco. Sentes que estás a perder o controlo de tudo;
  • Transtorno obsessivo-compulsivo –  o transtorno obsessivo-compulsivo é o medo de perder o controlo ou sentir que a pessoa é responsável por algo terrível para si ou para os outros (aquele sentimento de culpa). O que causa esta ansiedade não é uma situação específica, são pensamentos e sentimentos que já estão enraizados na pessoa. Sentes que estás a perder o controlo da situação. Por exemplo: um aluno que só tira 16,17,18,19,20 valores, começa a tirar 12,13,14 valores e sente que está a perder o controlo da situação porque é obsessivo com a perfeição das notas ou então usa sempre o número 3 pois 2 é pouco e 4 é demais, ou alguém que gosta de ter o seu quarto arrumado, e de repente fica uma confusão, essa pessoa começa a ficar muito ansiosa porque está fora da sua zona de conforto;
  • Fobia social – Acontecem sempre em locais públicos. Por exemplo numa apresentação oral, numa reunião, palestra, ou até mesmo numa conversa com alguém nos transportes. Uma pessoa com fobia social sente uma grande ansiedade quando se sente exposta. Sente que está a ser avaliada, julgada e começa a suar, a sentir-se mal e pode até chegar a desmaiar o que já me aconteceu infelizmente;

Tenho dias bons em que os sintomas não se manifestam, e tenho dias maus onde alguns dos sintomas são visíveis. Um deles é a organização e o facto de ter todos os objectos paralelamente alinhados uns com os outros (não suporto desorganização pois deixa-me super desconfortável), e o outro é facto de lavar as mãos umas cinquentas vezes diariamente. Falar com pessoas desconhecidas é das piores coisas que me podem pedir, não por ser uma pessoa envergonhada mas sim porque começo a falar bastante depressa fazendo com que a outra pessoa não entenda nada do que disse, o coração acelera e a respiração aumenta e começo a transpirar. Ir para concertos ou eventos em que estejam muitas pessoas muito próximas de mim deixa-me aflito como se fosse desmaiar, por isso prefiro sempre espaços abertos. O facto de utilizar sempre números ímpares ajuda a ter uma noção de que estou em controlo sobre um evento ou situação, por isso sempre que marco um café ou alguma saída com amigos tenho sempre o vício de escolher horas em que os minutos sejam 1 ou 3.

Em breve irei fazer um post sobre como ajudar a diminuir estes sintomas e a reduzir o nível de ansiedade e lembrem-se: